Parceiros

Curta-nos no Facebook! - Café com Net

Vampiro de Niterói: Conheça a Macabra História desse 'Serial Killer' brasileiro

Quando ouvimos histórias sobre assassinos em série, pensamos logo nos Estados Unidos e em séries americanas como Criminal Minds ou Mindhunter — duas séries que abordam o termo serial killer criado pelo FBI para se referir à pessoas que cometem múltiplos assassinatos. Porém, em nosso país, também existiram assassinos notórios que cometeram atrocidades além da nossa imaginação. No texto de hoje, vamos falar sobre um caso que aconteceu no estado do Rio de Janeiro, na cidade de Niterói.

Marcelo Costa de Andrade, conhecido como Vampiro de Niterói, foi um dos assassinos em série mais assustadores dos anos 90, matando 14 crianças em apenas 8 meses. Assim como vários assassinos mostrados pela série Criminal Minds, Marcelo sofreu abuso durante grande parte de sua infância e assistia sua mãe, a empregada doméstica Sônia Xavier Costa, sendo espancada pelo seu pai. Aos 5 anos, ele se mudou para o Ceará para viver com os avós, mas aos 10 anos, sua mãe o levou novamente para o Rio de Janeiro, o forçando a viver durante certos períodos na casa de seu pai.

Marcelo Costa de Andrade

Sofrendo abuso em ambas residências, Marcelo fugiu de casa e passou a morar nas ruas se envolvendo com prostituição para poder sobreviver. Foi acolhido então por uma instituição chamada Casa dos Meninos, onde viveu até os 14 anos, que era a idade limite para se viver no local. Retornou então a prostituição como forma de sobrevivência.

Após alguns anos, Marcelo se envolveu romanticamente com um porteiro e passou a visitar igrejas evangélicas. Voltou a morar com a mãe, arrumou um emprego e, aparentemente, estava estabilizado na vida. Porém, como a maioria dos assassinos em série, Marcelo vivia uma vida dupla escondendo seus traços psicopatas do seu dia a dia. Foi nessa época, que ele começou a matar.

Crimes
Marcelo Costa de Andrade preso

Um dos primeiros reportados foi em dezembro de 1991, o menino Altair Medeiros de Abreu — de apenas 10 anos, saiu com seu irmão, Ivan Medeiros de Abreu até a casa de um vizinho, que havia os prometido oferecer um almoço. Na época, o garoto morava numa zona de muita pobreza, no bairro Santa Isabel, localizado em São Gonçalo, no qual é um município vizinho de Niterói.

Quando os irmãos passavam pela estação central de Niterói, Marcelo os abordou, e segundo Altair, fora oferecido cerca de 4.000 cruzeiros (cerca de R$1.450) para que ambos ajudassem a realizar um tipo de ritual religioso do catolicismo. Então os três pegaram um ônibus, que fora parar em uma praia deserta, perto do Viaduto do Barreto. Nisso, Marcelo tentou beijar o menino Ivan (o irmão mais novo), que acabou fugindo assustado, entretanto capturado e em seguida derrubado no chão.

Machucado, Altair acabou presenciando seu irmão ser abusado sexualmente por Marcelo, que, após a atrocidade, o estrangulou, dizendo para Altair que seu irmão mais novo estava dormindo.

Altair chegou a ser capturado por Marcelo, pois o criminoso queria morar com o menino. Em depoimento para a polícia, Marcelo conta que não matou o menino pois ele teria sido “bonzinho” e prometido que ficaria com ele.

Infelizmente, outras 13 crianças não tiveram essa sorte. Marcelo tinha um padrão para os assassinatos, suas vítimas eram sempre meninos que ele atraía para áreas desertas, fora da vista de outras pessoas, estuprava e estrangulava. A parte mais bizarra é que além da crueldade ao cometer tais crimes, ele ainda drenava o sangue das vítimas e o ingeria, como um verdadeiro "vampiro".

Ele confessou: "Eu preferia garotos, porque estes são melhores e possuem a pele macia. O padre disse que as crianças vão direto para o céu se morrerem antes dos treze. Então eu sei que fiz um grande favor os enviando para perto de Deus". Na investigação do caso, a Polícia encontrou uma ligação com o assassinato de uma menina, porém, o maníaco negou a todo custo o crime, tendo dito em um de seus depoimentos que não mataria meninas, pois estas não pertenciam ao "reino dos céus".

Além de cometer os crimes, Marcelo retornava ao local dos assassinatos, o que a série Criminal Minds explica ser muito comum para o assassino em série reviver o prazer que sentiu no momento das mortes. Assustador, não é?

Esse mês, o canal de vídeos da plataforma UOL, MOV, lançou um documentário sobre o Vampiro de Niterói, coletando reportagens da época e entrevistas com o próprio serial killer após sua prisão.

Infelizmente, quando vemos histórias assim, percebemos que os monstros não estão presos em séries e filmes: eles existem no mundo real.

AUTORES:
Thaynara Teixeira - Redação/Finalização
Felype Oliveira - Desenvolvimento/Revisão

Postar um comentário

2 Comentários