Parceiros

Curta-nos no Facebook! - Café com Net

Vamos falar de Prevenção ao Suicídio


O mês de setembro é destacado para abordar e intensificar a conscientização com a campanha de prevenção, essa data foi criada há 7 anos, e a cada 46 segundos, uma pessoa comete suicídio no mundo, e a cada 42 minutos uma pessoa comete suicídio no Brasil.

O assunto é abordado o ano todo, e devido a pandemia os casos aumentaram, segundo os dados da OMS, 12 mil pessoas tiraram a própria vida este ano.

O Brasil é o campeão mundial em casos de transtornos da ansiedade e o segundo no ranking mundial de transtorno depressivo, essa situação agravou devido a pandemia. Fatores sociais, biológicos e psicológicos influenciam no crescimento e desenvolvimento dos casos. 

Ela atinge todos os níveis, não tem um publico específico, não tem etnia, gênero, idade, cultura, classe social ou econômica. 

O cenário da pandemia foi um gatilho para o aumento dos quadros das doenças, pois o meio ambiente afetou nos novos casos, quem se suicida tem algum transtorno mental.

As pessoas deixaram de buscar ajuda nesse período da pandemia na área da saúde mental.

Se a pessoa em algum momento pensar em suicídio, tem que levar essa queixa para família para buscarem ajuda de profissionais, pois falar que está passando por isso é necessário para agir e buscar uma solução.

Porém, nem sempre é levado em conta ou a sério por familiares e/ou amizades. Infelizmente, a depressão, o transtorno mais comum – e principal causador dos casos, é algo muito das vezes banalizado, e que acaba fazendo pessoas em sofrimento se isolarem mais, e com isso acabar não se tratando.

O problema é sério e tem que ser tratado o mais rápido possível, devemos ter um olhar diferenciado olhando o individuo no todo.

O convívio diário desencadeou vários conflitos, problemas de relacionamento foi um dos problemas que ficou em evidência nesse período da pandemia, pois todos ficaram no mesmo ambiente, os cônjuges, os filhos. A violência doméstica também aumentou, isso afeta muito o emocional.

A pobreza e o desemprego também foi um fator relevante para a piora do quadro da saúde mental, pois essa situação de ficar o tempo todo dentro de casa mexeu muito causando um grande desequilíbrio.

Muitos não se comportavam como deveriam com o horário para as atividades, perderam totalmente o ritmo, trocaram o dia pela noite, se alimentam mal, não tinham horário para dormir e nem para levantar, confundiram esse período com férias, o organismo ficou totalmente desequilibrado.

Esse cenário propiciou o aumento dos casos, isso levou uma junção de emoções que foram vindo a tona. Nos atendimentos que realizei alguns pacientes que tinham depressão, relataram que tentaram suicídio. Quase 100% das pessoas que suicidaram tinham algum transtorno mental.

O medo em buscar ajuda agravou a situação.
A pessoa que comete o suicídio não pensa em tirar a vida, mas sim em precisar de um alivio para dor que está sentindo na sua alma.

Busque ajuda dos Especialistas, ao menor sinal, não deixe a sua saúde para depois, você tem que cuidar do corpo que habita. Caso esteja com problemas e não tenha como recorrer um profissional diretamente, ligue para o Centro de Valorização da Vida discando o número 188.

Sobre o Autor

Simone Navarro
Instagram: @navarro.simone

Psicanalista, terapeuta floral, Pedagoga, Coach.

  • Especialista em Saúde Mental e Dependência Química.

Postar um comentário

0 Comentários